Estudo usa genética para tratar lesões de pele

Pedro Muxfeldt - 6 de setembro de 2018 - 11:12
Estudo usa genética para tratar lesões de pele
Em experimento com ratos, cientistas reprogramaram células para fechar úlceras sem cirurgia

(CCM SAÚDE) — Cientistas da Universidade de La Jolla, nos Estados Unidos, desenvolveram técnica que usa a genética para tratar lesões de pele, como úlceras e outras feridas.


O trabalho, comandado pelo pesquisador Juan Carlos Belmonte, utiliza técnicas de reprogramação celular para transformar células presentes na própria úlcera em células epiteliais de combate à lesão.

O mecanismo é inspirado no próprio funcionamento do organismo. Quando sofremos uma lesão de pele, células epiteliais de outras partes do corpo migram para a região da ferida para tentar fechar o machucado. Em alguns casos, como o de pessoas idosas e lesões muito grandes, a ação tem baixa eficácia.

O que a equipe de cientistas pretende com a nova técnica, testada com sucesso em ratos, é evitar essa migração e fazer com que outras células já presentes no local se transformem em células epiteliais e desempenhem essa função.

Novos testes, principalmente que comprovem a segurança da técnica criada, precisarão ser feitos antes que a fórmula seja testada em seres humanos. Assim, não há nenhuma possibilidade de se prever quando (ou mesmo se) tratamentos desta natureza estarão disponíveis.

Foto: © anetlanda - 123RF.com