Estudo mais perto de descobrir cura para diabetes

Pedro Muxfeldt - 31 de dezembro de 2018 - 07:59
Estudo mais perto de descobrir cura para diabetes
Combinação de drogas fez organismo regenerar células responsáveis pela produção de insulina.

(CCM Saúde) — Estudo da Escola de Medicina Icahn em Monte Sinai, nos Estados Unidos, deu mais um passo para a descoberta de uma cura para a diabetes.

A equipe comandada pelo doutor Andrew Stewart demonstrou que o uso combinado de dois medicamentos é capaz de promover a regeneração em ritmo acelerado das células-beta, responsáveis pela produção da insulina, hormônio que controla o nível de glicose no sangue. O estudo foi publicado na revista 'Cell Metabolism'.

Na diabetes tipo 1, o organismo confunde as células-beta com agentes invasores e as destrói. Já no tipo 2, mais comum, pesquisas anteriores já comprovaram que estas células apresentam deficiências importantes que, em parte, explicam o surgimento da doença.

Esta não é a primeira vez que cientistas conseguem produzir células-beta, mas a pesquisa alcançou taxas de regeneração entre 5% e 8% ao dia, índice considerado suficiente para se realizar um tratamento de reposição e, possivelmente, garantir a cura dos pacientes.

Resta, no entanto, uma última barreira, afirmam os pesquisadores. O coquetel de drogas utilizado gera uma série de efeitos adversos sobre o corpo e portanto é necessário encontrar uma forma de levar os remédios diretamente ao pâncreas, onde as células-beta irão secretar a insulina. "Nós já temos os pacotes, mas precisamos de um sistema de correio para entregá-los no endereço exato das células-beta", compara Stewart.

Foto: © Andrey Popov - Shutterstock.com

Veja também