Cerveja eleva o número de picadas por mosquitos

Natali Chiconi - 1 de fevereiro de 2019 - 09:00
Cerveja eleva o número de picadas por mosquitos
Estudo mostra que ingerir a bebida pode elevar as chances de contrair dengue, zika e chikungunya.

(CCM Saúde) — O Brasil consome aproximadamente 70 litros de cerveja por ano, por pessoa. Um estudo recente aponta que a bebida eleva o número de picadas por mosquitos.

Se ingerida em excesso, a cerveja eleva os riscos de infecção pelo vírus de dengue, zika, chikungunya e malária. Essa conclusão foi obtida por dois estudos - um realizado no Japão e outro em Burquina Faso.

A pesquisa japonesa testou uma dose de 350 ml de cerveja feita de cevada para atrair o Aedes albopictus, parente próximo do Aedes aegypti. Em Burquina Faso, os pesquisadores deram às pessoas uma variante feita com sorgo (4% de álcool), localmente chamada de dolo, para verificar o resultado sobre a espécie Anopheles gambiae, transmissor da malária.

"Em ambos os estudos, notou-se um aumento significativo na atração dos insetos", conta, ao portal 'G1', Carlos Brisola Marcondes, professor do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). "Além disso, no segundo trabalho, verificou-se também o estímulo ao voo dos mosquitos. Este efeito foi atribuído à dispersão do álcool pelo organismo com presença de etanol no suor."

Além do álcool em si, outros elementos que atraem mosquitos são o gás carbônico e o ácido láctico (liberado no suor). Diante disso, conclui-se que a pele e o ar expirado pelo corpo influenciam a preferência de mosquitos, fazendo com que eles tenham preferência por crianças ou pessoas de determinada raça, por exemplo.

Para evitar que as picadas por mosquitos transmissores de doenças aumentem e tragam riscos à saúde, recomenda-se usar repelente, manter telas em casa e reduzir o consumo de álcool. Diminuir o uso de roupas escuras em locais com mosquitos também é recomendável.

Foto: © Pravit Kimtong - 123RF.com