Adultos não levam dores de meninas a sério

Pedro Muxfeldt - 4 de fevereiro de 2019 - 10:56
Adultos não levam dores de meninas a sério
Estudo buscou comprovar estereótipos de emotividade e resistência entre os gêneros.

(CCM Saúde) — Uma pesquisa da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, demonstrou que adultos tendem a desvalorizar dores sentidas por meninas.

No estudo, adultos de ambos os sexos foram apresentados a um vídeo com a reação de uma criança de cinco anos a uma espetada no dedo. Todos os participantes assistiram ao mesmo vídeo, mas metade foi informada que a criança se chamava Samuel enquanto os demais souberam que seu nome era Samantha. O estudo foi publicado no 'Journal of Pediatric Psychology'.

Em média, os voluntários que avaliaram a dor sofrida pela menina opinaram que a dor era menos importante do que a do menino sofrendo o espetão. Segundo os autores, a pesquisa reforça mitos como "garotas são mais emotivas" e "garotos são mais resistentes".

"Esperamos que essas descobertas levem a novas investigações sobre o papel dos preconceitos nos sentidos de dor e cuidados de saúde em geral. Se o fenômeno que observamos puder ser generalizado em outros contextos, ele terá implicações importantes em diagnóstico e tratamento, pois esses preconceitos podem exacerbar desigualdades no acesso à saúde", diz Joshua Monrad, um dos líderes da pesquisa.

Foto: © tatyanagl - 123RF.com