Criança sem cicatriz não precisa revacinar para BCG

Pedro Muxfeldt - 8 de fevereiro de 2019 - 08:04
Criança sem cicatriz não precisa revacinar para BCG
Quem não possui a marca vacinal no braço está tão protegido quanto aqueles que apresentam cicatriz.

(CCM Saúde) — Não possuir a famosa marquinha no braço da vacina contra tuberculose, recebida ao nascer, não é indicativo de que a criança não está protegida contra a doença.

Decisão do Ministério da Saúde, a partir de recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), determina que crianças sem a cicatriz vacinal não precisam receber uma nova dose da imunização. Anteriormente, elas tinham que ser revacinadas antes dos cinco anos.

Segundo o órgão federal, os estudos internacionais mais recentes demonstram que uma nova dose da BCG não aumenta a proteção contra a tuberculose e, portanto, é dispensável. "Essa medida vai facilitar o calendário de vacinação, diminuindo uma dose que não traria benefícios adicionais", explica Carla Domingues, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações.

A vacina BCG, que o bebê recebe logo após nascer ou na sua primeira visita ao médico, apresenta uma das mais altas taxas de cobertura do país, porém, assim como outras imunizações, tem sofrido queda nos últimos anos.

Após cinco anos consecutivos de coberturas acima dos 100%, essa taxa baixou em 2016. Último ano com dados consolidados, 2017 teve índice de 96,2%. Em relação ao ano passado, dados preliminares apontam proteção de 87,5% do público-alvo, mas este número tende a aumentar ao final do levantamento.

Foto: © Igor Daniel - 123RF.com