Cérebro de gêmeas com DNA editado foi afetado

Pedro Muxfeldt - 22 de fevereiro de 2019 - 08:00
Cérebro de gêmeas com DNA editado foi afetado
Universidade dos Estados Unidos aponta que gene modificado pode levar a ganho cognitivo e de memória.

(CCM Saúde) — As gêmeas chinesas que tiveram seu DNA modificado pelo cientista He Jiankui para lhes garantir resistência ao vírus HIV podem ter sofrido alterações cerebrais.

Segundo artigo de revisão publicado na 'MIT Technology Review', estudos demonstraram que a edição do gene CCR5, que foi alterado no experimento de Jiankui, provocou ganho cognitivo e de memória em ratos. Tal situação pode ser reproduzida no casal de meninas chinesas, chamadas de Lulu e Nana.

Além disso, o neurobiologista da Universidade da Califórnia, Alcino Silva, afirma na publicação que a eliminação do CCR5 também está relacionada a uma melhor recuperação cerebral após um AVC e desempenho escolar acima da média.

"A interpretação mais simples é de que essas mutações provavelmente vão ter um impacto na função cognitiva das gêmeas", diz Silva. Ele ainda explica que o efeito exato que a edição genética terá sobre as meninas é impossível de prever, como seria em qualquer ser humano. "E é por isso que a edição não deveria ter sido feita", explica.

Desde que anunciou seu experimento, no final do ano passado, He Jiankui recebeu críticas de diversos especialistas em genética. Além disso, o cientista foi demitido do seu posto na Universidade de Ciência e Tecnologia de Shenzhen e chegou a ser posto em prisão domiciliar.

Foto: © Sergey Nivens - 123RF.com