Idade avançada do pai gera efeitos no bebê

Natali Chiconi - 28 de março de 2019 - 08:23
Idade avançada do pai gera efeitos no bebê
Pesquisa indica que paternidade tardia está relacionada a parto prematuro e baixo peso.

(CCM Saúde) — Já é sabido que a idade materna avançada pode comprometer a gestação e saúde do bebê, mas, agora, descobriu-se que pais mais velhos também geram isso.

A descoberta, feita por pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, é um alerta para homens e mulheres que decidem adiar o desejo de ter filhos.

Após a análise de dados de mais de 40,5 milhões de nascidos vivos nos Estados Unidos entre 2007 e 2016, os pesquisadores analisaram fatores como idade gestacional, peso ao nascer, índice de Apgar, internação em unidade de terapia intensiva neonatal e convulsões. Nas mães foram considerados problemas como diabetes gestacional e pré-eclâmpsia.

Os resultados apontaram que pais com maior idade estão relacionados a risco maior de parto prematuro, baixo peso ao nascer e baixo índice de Apgar - que avalia frequência cardíaca, esforço respiratório, tônus muscular, irritabilidade reflexa e cor.

No geral, pais com 45 anos ou mais estavam relacionados a chances 14% maiores de parto prematuro e 18% maiores de convulsões em comparação com bebês de pais entre 25 e 34 anos. Isso se deve ao fato de as células, com o passar do tempo, dividirem-se de maneira errada.

Há, ainda, uma alteração nos tecidos dos testículos, onde os espermatozoides ficam armazenados, que envelhecem e têm uma vascularização reduzida. Com isso, o fornecimento de nutrientes e oxigênio para os gametas fica comprometido.

De acordo com o estudo da Universidade de Stanford, pais mais velhos também elevam os riscos de bebês com síndrome de Down e doenças psiquiátricas, como esquizofrenia e autismo. Tais condições poderiam ser evitadas com, por exemplo, o congelamento de óvulos e espermatozoides.

Foto: © vita khorzhevska - Shutterstock.com