Estudo: mal de Parkinson se inicia no intestino

Pedro Muxfeldt - 27 de junho de 2019 - 15:28
Estudo: mal de Parkinson se inicia no intestino
Pesquisa comprova teoria criada em 2003; proteínas defeituosas 'sobem' até o cérebro.

(CCM Saúde) — O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa e sem cura. Apesar de afetar o cérebro, o início do seu desenvolvimento ocorre no intestino.

É o que afirma uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. O estudo, publicado na revista científica 'Neuron', comprovou em modelos animais uma teoria apresentada em 2003 pelo neuroanatomista alemão Heiko Braak. O cientista havia identificado que pacientes com a doença possuíam acúmulo da proteína alfa-sinucleína danificada no cérebro.

Segundo ele, essa substância alcançava as células cerebrais através do nervo vagal, uma grande enervação que vai do cérebro até o intestino, passando por pescoço e tórax. Na sua hipótese, a alfa-sinucleína modificada 'subiria' até chegar à cabeça.

Os pesquisadores da universidade estadunidense revelaram que a teoria está correta em testes com modelos animais. Camundongos receberam altas concentrações de alfa-sinucleína danificada no intestino. Em um mês, os ratos já apresentavam dano cerebral. Depois de sete meses, a maior parte do cérebro estava tomada por placas da proteína.

A descoberta, de acordo com os autores da pesquisa, pode ajudar no desenvolvimento de tratamentos contra a doença. Uma possibilidade é a realização de um corte no nervo vago em pacientes que possuem quantidade elevada da substância no intestino, como forma de prevenir o Parkinson.