Principais dúvidas sobre a vasectomia

Abril 2018

Nesse artigo, o CCM Saúde responde às principais dúvidas sobre a vasectomia, procedimento cirúrgico de esterilização em homens.


O que é a vasectomia?

A vasectomia, também chamada de deferentectomia, é uma cirurgia para tornar o homem estéril. Ela é considerada um dos métodos contraceptivos mais eficazes que existem, mas sua realização só deve ocorrer em homens que estejam muito seguros de que não desejam ter filhos já que a vasectomia é praticamente irreversível.


O Conselho Federal de Medicina (CFM) estabelece a idade mínima de 25 anos ou que o homem já tenha dois filhos para realizar o procedimento. Além disso, o órgão exige que a cirurgia só seja realizada no mínimo 60 dias após o paciente manifestar a vontade de realizar a vasectomia ao seu médico.

Como é feita a cirurgia?

O procedimento é feito sob anestesia local e promove o corte dos canais deferentes, o que impede a passagem dos espermatozoides, tornando o esperma livre dos gametas. A operação não exige internação do paciente e a taxa de sucesso da cirurgia está acima dos 99%.

Quais são os cuidados no pós-operatório?

A vasectomia é uma cirurgia muito simples e, por isso, não exige muita preparação. O paciente não precisa, por exemplo, estar em jejum. Também não há indicação de abstinência de álcool ou adoção de uma dieta específica nos dias que antecedem a operação. O principal cuidado a ser tomado é a depilação da região genital, coxas e abdômen.

Depois da cirurgia é preciso usar outro método contraceptivo?

A vasectomia é considerado um método contraceptivo de alta eficácia, mas em cerca de 2% dos casos ocorre vazamento de espermatozoides. Por isso, todo paciente que passou por uma vasectomia deve realizar um espermograma para confirmar o sucesso integral do procedimento. Sendo assim, indica-se o uso de outro método contraceptivo durante os dois meses seguintes à cirurgia.

A vasectomia é reversível?

A vasectomia pode ser revertida com uma nova operação. No entanto, a reconstituição dos canais deferentes é um procedimento muito mais complexo do que seu corte e exige um cirurgião experiente. Além disso, o tempo entre as cirurgias é o fator determinante para o sucesso da reversão. Quanto mais tempo passar, menores as chances da vasectomia ser revertida. Em geral, homens vasectomizados há 10 anos ou mais não são aconselhados a tentar a reversão.

Quais são os riscos?

Os riscos no pós-operatório de uma vasectomia são mínimos. Estudos científicos já comprovaram que não há aumento nos riscos de doenças na próstata entre homens que passaram pela cirurgia. Por fim, a vasectomia também não está ligada a quadros de impotência ou perda do desejo sexual.

Qual é o preço do procedimento?

Em média, uma vasectomia custa R$ 2 mil. Desde 2009, uma lei determina que os planos de saúde devam cobrir ações de planejamento familiar, entre elas a vasectomia.

A vasectomia pode ser feita pelo SUS?

Sim, a vasectomia é um dos muitos métodos contraceptivos disponíveis gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 35 mil cirurgias dessa natureza são realizadas anualmente.

Foto: © Gennady Kireev - 123RF.com
Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 19 de março de 2018 às 12:49 por Bruna.CCM.
Este documento, intitulado 'Principais dúvidas sobre a vasectomia', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.
Diafragma: o que é, como funciona, vantagens e desvantagens
Colposcopia: tudo sobre o exame