Diabetes gestacional: diagnóstico e riscos

Agosto 2017

A diabetes gestacional surge, como o nome diz, durante a gravidez. Na maioria dos casos, a doença desaparece após o nascimento do bebê, mas sua ocorrência traz riscos à saúde da criança. Atualmente, o número de mulheres que sofrem da doença durante a gestação vem aumentando e a incidência já alcança entre 5% e 6% das grávidas em todo o mundo. Além disso, o risco de recidiva do problema numa gravidez posterior é de 66%.


Por que algumas mulheres tem diabetes gestacional

Durante a gravidez, a placenta libera um hormônio chamado Hormônio Lactogênio Placentário (HLP). Uma de suas ações é reduzir a atuação da insulina, hormônio responsável pelo controle do nível de glicose no sangue. Caso o pâncreas não seja capaz de elevar a produção de insulina em concentração satisfatória, o índice glicêmico se desregula, ocasionando a diabetes gestacional.

Diabetes gestacional passa depois da gravidez

Na maioria esmagadora dos casos, a diabetes gestacional cessa depois do parto. No entanto, mulheres com histórico de diabetes gestacional apresentam maior risco de ter diabetes em momento posterior. Além disso, é importante que essas mulheres testem seu índice glicêmico depois da gestação, pois a diabetes gestacional pode ser sinal de uma diabetes anterior ainda não diagnosticada.

Diagnóstico da diabetes gestacional

Uma grávida que apresente glicemia acima de 0,9g por litro de sangue é considerada como portadora de diabetes gestacional. Por conta disso, agências internacionais de saúde recomendam a realização do acompanhamento da glicemia até a 28ª semana de gestação.

Fatores de risco da diabetes gestacional

Mulheres com histórico familiar da doença e acima dos 35 anos têm maior risco de desenvolver diabetes gestacional, principalmente se a primeira gravidez ocorrer já em idade avançada. Gestantes com sobrepeso também têm risco maior. As mulheres que já sofreram abortos espontâneos ou perderam o bebê por outra causa também apresentam risco aumentado de sofrer com a doença. Além disso, mulheres que já passaram por partos de crianças com mais de 4kg são mais afetadas pela diabetes gestacional que a média.

Riscos para o bebê da diabetes gestacional

A diabetes gestacional pode provocar ganho de peso excessivo e adiposidade do feto. Além disso, há maiores chances do parto exigir realização de cesariana, bem como risco de hipoglicemia (taxa de açúcar baixa no sangue) da criança.

Dieta para diabetes gestacional

Mulheres com diabetes gestacional devem, entre outros cuidados, adotar uma dieta alimentar especial. Ela deve ser baseada no consumo de frutas, verduras e carboidratos integrais (arroz, macarrão, farinha etc.). Por outro lado, a grávida deve evitar a ingestão de açúcar e gorduras. O ideal é buscar reduzir o índice glicêmico de cada refeição com uso de alimentos crus e naturais. Também é importante que a mulher faça uma série de cinco ou seis pequenas refeições por dia do que um número menor de refeições mais volumosas.

Foto: © Dmitry Lobanov - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 12 de junho de 2017 às 12:41 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Diabetes gestacional: diagnóstico e riscos', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.