Rubéola: sintomas, diagnóstico e tratamento

Dezembro 2017

A rubéola é uma doença viral eruptiva muito contagiosa e geralmente benigna que afeta crianças, na maioria das vezes. Em caso de gravidez, se a mulher não for imune à doença, é preciso tomar muito cuidado - especialmente nos três primeiros meses de gestação - já que ela pode provocar aborto, nascimento prematuro e malformações graves, entre elas a microcefalia.


Modos de transmissão da rubéola

A transmissão da infecção se dá por via respiratória (tosse e espirros) ou via transplacentária, nos casos de rubéola congênita.

Sintomas da rubéola

Frequentemente, a rubéola não está relacionada com nenhum sintoma. Quando há manifestações elas são febre moderada, dores musculares e articulares, adenopatias cervicais (gânglios aumentados na região do pescoço) e erupções cutâneas que começam no rosto e se estendem para o resto do corpo.

Diagnóstico da rubéola

A presença de anticorpos contra o vírus da rubéola no sangue permite verificar se o indivíduo está protegido ou não contra a doença. Tal detecção é essencial para mulheres em idade fértil para que as não protegidas recebam a vacina. Um exame de sangue para diagnosticar a rubéola é normalmente prescritos para grávidas durante a primeira consulta pré-natal para que se consiga evitar as complicações da doença.

A definição sobre a presença ou não da doença se faz com a análise dos níveis de imunoglobulinas G e M. A interpretação dos valores varia segundo a evolução da doença e está atrelada principalmente à etapa de contágio (tempo entre contaminação e os primeiros sinais da doença) e as erupções cutâneas.

Resultados do exame de sangue

Se a busca de anticorpos é negativa, isso significa que não houve contato do paciente com o vírus e que, portanto, não há proteção contra a doença, necessitando vacinação para prevenção entre as gestantes.

Já se a busca for positiva, o médico deve analisar se os anticorpos se mantêm estáveis ou variam. No primeiro caso, isso indica que o paciente está protegido da doença. Já se há variação rápida da doença cerca de duas semanas depois do surgimento das erupções é sinal de que o paciente está com rubéola.

Tratamento da rubéola

O tratamento é feito basicamente com o uso da vacina sendo, portanto, uma forma de prevenção da doença. Disponível gratuitamente nos postos de saúde, a imunização confere proteção estável contra a doença dentro de poucas semanas até seu uso.

Foto: © pogonici - Shutterstock.com
Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 19 de setembro de 2017 às 14:39 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Rubéola: sintomas, diagnóstico e tratamento', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.
Soluços: causas e ações de combate
Vacina contra dengue: como ela funciona