Glândula suprarrenal

Faça uma pergunta

Definição

A glândula suprarrenal está situada na parte superior de cada rim, e possui propriedades de secreção de hormônios. Ela é composta de duas zonas distintas. A primeira é a zona corticosuprarrenal que secreta diferentes hormônios: os glicocorticoides, hormônios do qual o cortisol faz parte que age essencialmente sobre as reações orgânicas de carboidratos; os mineralocorticoides representados pelo aldosterona que age sobre o rim para o equilíbrio da quantidade de sódio e de potássio no organismo; e uma parte dos andrógenos, hormônios do desenvolvimento de características sexuais masculinas. A outra zona é a medula suprarrenal que secreta a adrenalina e a noradrenalina, que agem sobre o ritmo do coração. A contração ou a dilatação dos vasos sanguíneos e aumentando a pressão arterial. No nível da glândula suprarrenal, diversos tumores podem existir, alguns sendo benignos, outros malignos. Entre os tumores malignos, portanto os cânceres, distinguindo os corticosurrenalomas que se desenvolvem na zona cortical da suprarrenal, e os mineralosurrenalomas, chamados igualmente de feocromocitos malignos, na zona medular. Os feocromocitos são enquanto isso benignos em 9 sobre 10 casos.

Manifestações

os sintomas de um câncer das suprarrenais dependerão portanto da zona afetada. Em caso de corticosurrenaloma, os sinais serão representados por:
  • A síndrome de Cushing em relação a um aumento da secreção do cortisol, com ganho de peso ou até obesidade androide predominante sobre o abdômen, hipertensão arterial, aparição de vergaduras sobre o abdômen, baixa da massa muscular... (ver ficha da síndrome de Cushing para a lista dos sintomas);
  • A síndrome de hiperaldoesteronismo primário por secreção excessiva de aldosterona com hipertensão arterial, aumento de eliminação urinária e da sede, transtornos musculares como câimbras;
  • O hiperandrogenismo, por excesso de andrógenos causando um aumento da pilosidade, e uma masculinização nas mulheres.

Em caso de feocromocitomo maligno, chamado de medulosurrenaloma, os sintomas na sua forma típica:
  • Dores de cabeça;
  • Palpitações;
  • Suores;
  • Uma hipertensão arterial.

Diagnóstico

diante dos sinais evocadores de tumores da suprarrenal, um exame de sangue com dosagem dos diferentes hormônios é necessário para colocar em evidência o excesso de secreção. Em seguida, uma imagem das suprarrenais, frequentemente por um scanner, mais raramente um IRM, permite a visualização do tumor. Uma cintilografia é igualmente desejada. Em caso de suspeita do tumor cancerígeno, um exame de extensão será realizado para procurar a migração das células cancerígenas para outros órgãos, o que, na presença de metástases, mostrará o caráter cancerígeno do tumor.

Tratamento

Como para o conjunto dos tumores cancerígenos, o tratamento será adaptado em função da evolução do tumor, do seu tamanho, do estado geral do paciente e dos resultados do exame de extensão. Na maior parte do tempo, ele se baseia na cirurgia. Ele consiste em retirar o conjunto do tumor, os tecidos à sua volta que podem portar células cancerígenas e os gânglios próximos se eles forem afetados pelo câncer. A radioterapia e a quimioterapia são menos frequentes neste contexto.
Dra. Marta Marnet

CCM Saúde é uma publicação informativa realizada por uma equipe de especialistas de saúde e redatores supervisionados pela Dra. Marta Marnet (número de registro 19741 no Colégio de Médicos de Barcelona, Espanha).

Mais informações sobre a equipe do CCM Saúde

Publicado por asevere. Última modificação: 16 de dezembro de 2014 às 14:48 por asevere.

Este documento, intitulado 'Glândula suprarrenal', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.