Secura vaginal: causas, sintomas e tratamento

Faça uma pergunta
A secura vaginal ocorre quando os tecidos da vagina não estão saudáveis e bem lubrificados. Quando estes sintomas são causados por uma diminuição na quantidade de estrogênio no organismo da mulher, a secura recebe o nome de vaginite atrófica.


Causas da secura vaginal

Os estrogênios mantêm os tecidos da vagina lubrificados. Normalmente, o revestimento da vagina produz um lubrificante líquido transparente, o que torna a relação sexual mais confortável. Ele também ajuda a diminuir a secura vaginal. Se os níveis de estrogênio diminuem, o tecido vaginal encolhe e se torna mais espesso, causando secura e inflamação. A queda na concentração de estrogênio no corpo é a principal causa de secura vaginal.

Além disso, a vagina também pode ser irritada por sabonetes, loções, perfumes ou duchas. Certos medicamentos, tais como antidepressivos e anti-histamínicos, tabagismo e uso de tampões também podem causar ou agravar a secura vaginal.

Causas da diminuição do estrogênio

Os níveis de estrogênio normalmente diminuem após a menopausa. Alguns medicamentos ou hormônios utilizados no tratamento do câncer de mama, endometriose, miomas e infertilidade podem causar a redução da produção do hormônio. Também apresentam esse efeito cirurgias para remoção dos ovários, radioterapia na região pélvica, quimioterapia, estresse, depressão e exercício intenso. Algumas mulheres têm esse problema imediatamente após o parto ou durante a amamentação, uma vez que os níveis de estrogênio são mais baixos neste momento.

Sintomas da secura vaginal

Os sintomas que podem ser causados pela secura vaginal são ardor ao urinar, leve sangramento ou dor durante ou após a relação sexual, dor vaginal, ardor e coceira na vagina. Sem lubrificação adequada, naturalmente, as mulheres estão mais expostas à infecção bacteriana.

Diagnóstico da secura vaginal

Um exame vaginal mostra que as paredes do órgão estão mais finas, pálidas ou avermelhadas. É possível fazer uma análise laboratorial do corrimento vaginal para descartar outras causas da doença. Também podem ser realizados testes de níveis hormonais para determinar se a causa do problema é a menopausa.

Tratamento da secura vaginal

Há muitos tratamentos para a secura vaginal. Antes de tratar os sintomas, um médico deve determinar a causa do problema. Lubrificantes vaginais e hidratantes são amplamente utilizados e não necessitam de receita médica. Usar um lubrificante vaginal solúvel em água durante a relação sexual pode ajudar. Por outro lado, evite sabonetes, loções, perfumes e duchas vaginais com fragrâncias.

Uma terapia de reposição da taxa de estrogênio também pode ser prescrita pelo médico ginecologista. Encontrados na forma de creme, comprimido, supositório ou anel, esse medicamento é inserido na vagina para que o hormônio seja liberado diretamente na região afetada e em seguida absorvido na corrente sanguínea.

Tratamento caseiro da secura vaginal

O principal tratamento caseiro para a secura vaginal é o óleo de sésamo, que atua como lubrificante natural da vagina. Além disso, banhos de assento com chá de camomila e o consumo dos chás de tília e valeriana também são bastante recomendados. No entanto, esses procedimentos não substituem os tratamentos convencionais em casos mais graves de secura vaginal e nos quais o problema esteja acompanhados de dores, ardência e coceira na vagina.

Complicações possíveis da secura vaginal

Uma mulher que sofre de secura vaginal está mais propensa a sofrer infecções vaginais causadas por bactérias ou fungos. Também podem aparecer feridas ou rachaduras na parede vaginal, causando dor durante o sexo, o que afeta a relação com o parceiro. Procure seu médico se a dor ou secura vaginal, ardor, coceira ou dor durante a relação sexual não desaparecerem com uso de um lubrificante solúvel em água.

Foto: © Rui Santos - 123RF.com
Dra. Marta Marnet

CCM Saúde é uma publicação informativa realizada por uma equipe de especialistas de saúde e redatores supervisionados pela Dra. Marta Marnet (número de registro 19741 no Colégio de Médicos de Barcelona, Espanha).

Mais informações sobre a equipe do CCM Saúde