Como identificar uma ameaça de aborto

Abril 2017

Um aborto é a interrupção da gravidez resultante da expulsão de um feto imaturo e inviável. Por convenção internacional, é considerado aborto um feto expelido com peso inferior a 500 gramas ou idade gestacional inferior a 22 semanas de amenorreia (ausência de menstruação).


Frequência com que ocorrem abortos

De cada cinco mulheres grávidas duas apresentam sangramento genital na primeira metade da gravidez. Destas, metade tem um aborto. Quando isso ocorre, há duas possibilidades: pode ser uma gravidez potencialmente viável (ameaça de aborto) ou uma gravidez inviável, como a gestação de natimorto, onde a expulsão do feto e/ou placenta ainda não foi consumada. Estas diferentes ocorrências geram necessidades de procedimentos distintos.

Como se classifica o aborto

De acordo com os sintomas e sinais presentes, o aborto é classificado da seguinte forma: ameaça de aborto, aborto inevitável, aborto incompleto, aborto retido, aborto séptico e recorrente.

Sintomas de uma ameaça de aborto

Os sintomas de ameaça de aborto incluem sangramento vaginal em quantidade variável, que pode às vezes ser acompanhado de dor abdominal semelhante a cólicas menstruais. Pode ser que a paciente ainda tenha expulsado o feto ou notado a perda de líquido amniótico. Os sintomas da gravidez podem ou não estar presentes.

Análise física de paciente com ameaça de aborto

A paciente pode estar em bom estado geral, sem febre. Muitas vezes, a palpação do abdômen não traz nenhuma conclusão em particular. Quando o ginecologista introduz o espéculo é observado sangue escorrendo através do colo do útero.

Diagnóstico diferencial com outras patologias

Metrorragia disfuncional

Quando há antecedente de um período de amenorreia (sem menstruação) pode haver confusão com uma ameaça de aborto. O sangramento pode ser abundante, mas geralmente não se apresenta com dor. Não há sintomas ou sinais de gravidez. O teste de gravidez é negativo e, portanto, a possibilidade de ser uma complicação derivada de uma gravidez é descartada.

Gravidez ectópica

A gravidez é chamada de ectópica quando a implantação do embrião se dá fora do útero, muitas vezes ocorrendo nas trompas de Falópio. A gravidez ectópica deve ser considerada em todas as pacientes em idade fértil que apresentam dor e sangramento vaginal. O quadro clássico é raro e, por isso, é necessário um alto índice de suspeição. O diagnóstico é baseado na análise clínica, ultrassom ginecológico e medição de beta-HCG no sangue.

Gravidez molar ou mola hidatiforme

A gravidez molar é um distúrbio no qual placenta e feto não se desenvolvem apesar da ocorrência da fecundação. Surgem sangramentos na primeira metade da gravidez em mais de 95% dos casos. Às vezes, a remoção de tecido molar característico (vesículas) sugere o diagnóstico. O exame ginecológico pode detectar um útero aumentado (maior do que o esperado para aquela idade gestacional) e a presença de cistos.

Sintomas como vômitos excessivos, pré-eclâmpsia antes de 20 semanas e hipertireoidismo podem estar presentes. A realização de ultrassom diante de suspeita clínica e em toda paciente com metrorragia no primeiro semestre orienta o diagnóstico. De todas as pacientes com mola hidatiforme, 10% dos diagnósticos são feitos exclusivamente por anatomia patológica (análise de tecidos e células em laboratório).

Exames a fazer diante de uma ameaça de aborto

Uma análise do hormônio beta-HCG no sangue pode ser feita e é indicada em casos onde não há suspeita de gravidez ectópica. Os níveis plasmáticos podem permanecer detectáveis por várias semanas em gestações inviáveis. Um ultrassom é muito importante para diferenciar uma gravidez inviável (anembrionada ou morte precoce de embrião) de uma gestação potencialmente viável onde ocorre metrorragia. Quando se confirma que o embrião está vivo o prognóstico é favorável. É preciso considerar também que diante de uma metrorragia de primeiro trimestre e atividade cardíaca demonstrada por ultrassonografia, a possibilidade posterior de aborto é de 5% a 13%.

Tratamento para ameaça de aborto

Deve-se estabelecer repouso absoluto e restringir a atividade sexual até que o sangramento pare completamente e seja comprovado pelo ultrassom que o feto é viável. No que diz respeito a medicamentos, em alguns casos, pode ser apropriado o tratamento com progesterona em pacientes com aborto recorrente e pacientes que receberam indução de ovulação. O uso de supositórios antiespasmódicos deve ser restrito. Sua utilidade não foi demonstrada e há dúvidas sobre seu potencial durante o período de organogênese (18 a 55 dias após a concepção).

Em pacientes Rh negativo não sensibilizadas e com ameaça de aborto é indicada a profilaxia com imunoglobulina Rh, aplicando-se 150 ug da substância quando a gestação estiver entre a 7ª e a 12ª semana e 300 ug em gestações com mais de 12 semanas. O DIU deve ser removido apenas se confirmada a gravidez, se as guias são visíveis e se for fácil de remover. Caso contrário, recomenda-se uma ultrassonografia para estimar a possibilidade de retirada sob visão direta. Essa prática reduz significativamente os riscos reprodutivos de gravidez com DIU.

Prognóstico de uma ameaça de aborto

Se a mulher tiver antecedente de aborto, o risco de recorrência na gravidez seguinte é de 19%, sobe para 35% com dois abortos consecutivos e chega a 47% no terceiro. As pacientes com sangramento vaginal no primeiro trimestre têm risco dobrado de ter um bebê prematuro e 60% mais probabilidade do recém-nascido nascer com baixo peso. Não há diferença na incidência de malformações congênitas.

Foto: © Viktoria Gavrilina - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Joana.Saude. Última modificação: 13 de abril de 2017 às 10:28 por Natali.Saude.
Este documento, intitulado 'Como identificar uma ameaça de aborto', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.