Perigos dos complementos alimentares

Agosto 2017

Os complementos alimentares compreendem vitaminas, minerais e antioxidantes que são vendidos em forma de cápsula, gel ou chá. Eles tem como objetivo promover o emagrecimento, bronzeamento e auxiliar no envelhecimento saudável. Estima-se que 25% das mulheres e 15% dos homens façam uso de algum complemento alimentar atualmente.

Estudo sobre complementos

Estudo da Universidade Paris 13, da França, revelou que o magnésio e as vitaminas B6 e C são os complementos alimentares mais consumidos. Em média, 28% das mulheres e 15% dos homens utilizam esses produtos ao menos três vezes por semana. A pesquisa ouviu cerca de 80 mil adultos. O dado mais preocupante do estudo, de acordo com os pesquisadores, é a taxa de 45% dos usuários de complementos alimentares que tomam os produtos sem prescrição ou aconselhamento médico.

Interferência sobre remédios

Os complementos alimentares podem interferir na ação de outros medicamentos. A maioria das interações indesejadas são observadas em remédios que agem sobre o sistema cardiovascular e o sistema nervoso central. Os complementos são capazes de modificar as atividades dos medicamentos, aumentando ou diminuindo sua eficácia e gerando quadros de overdose.

Complementos alimentares e câncer

Os complementos alimentares à base de produtos naturais, como soja, inhame e alfafa, são contraindicados para pacientes em tratamento de formas ginecológicas de câncer.

Foto: © KOSIN EURBOONYANUN - 123RF.com

Veja também

Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 24 de julho de 2017 às 15:33 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Perigos dos complementos alimentares', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.