Anestesia geral: cuidados e riscos

Abril 2018

A anestesia geral é um procedimento utilizado antes de cirurgias, normalmente as mais invasivas, que faz com que o paciente não sinta nenhuma dor nem registre o que se passa ao seu redor. Para aplicá-la, o anestesista tem uma vasta gama de anestésicos à sua disposição. Antes da anestesia geral, o paciente é examinado e entrevistado pelo anestesista. Antes do início da operação, o especialista se certifica de que o paciente está adormecido.


Estado de anestesia

Quando o paciente está anestesiado, ele não sente dor. Os seus músculos também ficam completamente relaxados. Na anestesia geral, o paciente não percebe o que acontece no ambiente. Em estado semelhante ao do sono, ele não consegue se lembrar do que aconteceu em torno dele no tempo em que permaneceu anestesiado. Os reflexos protetores também não funcionam durante a anestesia, o que permite à equipe de cirurgia realizar toda forma de intervenção sobre o corpo do paciente.

Anestesia geral durante a cirurgia

Durante a anestesia, o paciente é cuidado, na sala de cirurgia, por um anestesista e acompanhado por um aparelho monitor. O monitor avalia a pressão sanguínea, o nível de oxigênio no sangue, a respiração e a frequência cardíaca. Em alguns casos, parâmetros adicionais podem ser observados para garantir risco mínimo de um problema durante a operação, seja de reação aos anestésicos seja de o paciente acordar durante o procedimento.

Riscos da anestesia geral

A anestesia geral é um procedimento padrão utilizado diariamente em milhões de pacientes no mundo. Devido aos bons equipamentos médicos, altos padrões na formação de médicos e de monitoramento, medicamentos modernos e altos requisitos de higiene, a anestesia geral é um procedimento seguro atualmente. Complicações decorrentes exclusivamente da anestesia geral são raras, principalmente em pacientes saudáveis. Normalmente, se há alguma intercorrência, ela se origina de uma doença grave que o paciente já possui, como doenças do coração, renais, hepáticas ou pulmonares. Por isso, a avaliação do paciente antes da anestesia é tão importante.

Efeitos colaterais da anestesia geral

Apesar de não ter riscos, a anestesia geral pode apresentar efeitos colaterais, todos leves. Alguns já são esperados, como a amnésia do período sedado já que os medicamentos utilizados atuam sobre regiões do cérebro responsáveis pela formação da memória. Já outros são ocasionais, tais como fala arrastada e movimentos reduzidos nas horas seguintes ao fim do efeito da anestesia. Na maioria dos casos, no entanto, o paciente acorda da anestesia como se tivesse despertado de uma noite de sono. Além disso, há risco de reação alérgica aos anestésicos. Neste caso, o anestesista está apto a reverter o problema em pouco tempo. Caso você já tenha sofrido reações alérgicas durante uma anestesia, avise ao médico responsável.

Quanto tempo dura uma anestesia geral

A anestesia geral dura o tempo que for necessário para que o procedimento seja realizado. O cirurgião e o anestesia têm experiência para estimar o tempo de duração da cirurgia e definir a dose de anestésicos necessária. Se a cirurgia tiver que ser prolongada por qualquer razão, o anestesia pode reforçar os medicamentos sem interferir no procedimento ou aumentar o risco de algum problema ao paciente.

Quanto tempo para acordar de uma anestesia geral

O tempo entre o fim da cirurgia e o acordar do paciente é bastante reduzido e normalmente não excede uma hora. Em muitas ocasiões, o paciente já chega acordado ao quarto do hospital após deixar o centro cirúrgico.

Foto: © funnyangel - Shutterstock.com
Publicado por Joana.Saude. Última modificação: 26 de abril de 2017 às 15:29 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Anestesia geral: cuidados e riscos', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.
Visão dupla: diplopia
Teste rápido de HIV