Toxoplasmose: tratamento e prevenção

Maio 2017

A toxoplasmose é uma infecção parasitária transmitida por animais, normalmente gatos. O gato é infectado pelo Toxoplasma gondii e pode passá-lo ao ser humano. Na maioria dos casos, a toxoplasmose é inofensiva e responsável por uma infecção transitória banal. No entanto, ela traz risco principalmente para pessoas com baixa imunidade ou em caso de infecção de grávidas.


Toxoplasmose na gravidez

Uma infecção por T. gondii durante a gravidez pode ser muito grave, pois a transmissão da doença para o feto tem potencial para provocar malformações importantes e, em alguns casos, tornar o feto incompatível com a vida. É importante salientar, porém, que enquanto as malformações são mais graves em caso de transmissão no início da gravidez, o risco de infecção do feto é maior nos últimos meses de gestação, quando as complicações são menores.

Toxoplasmose ocular

Uma das complicações mais comuns de toxoplasmose é a sua forma ocular. A uveite anterior e a retina são as regiões do olho mais afetadas pela doença. Enquanto a primeira é branda e não costuma deixar sequelas, a infecção da retina pelo T. gondii causa diminuição da visão e pode até mesmo provocar perda total de visão.

Sintomas da toxoplasmose

Uma pessoa com as defesas imunológicas em bom estado não apresentará nenhum sintoma em caso de infecção pelo T. gondii. Porém, em casos mais raros, a doença pode se manifestar por síndrome mononucleósica, com quadro de febre, fadiga e inchaço dos gânglios. Esses sintomas desaparecem geralmente em algumas semanas, sem tratamento. Nos casos de pessoas imunodeprimidas, principalmente afetadas pela Aids, formas graves da doença podem ocorrer, como a toxoplasmose cerebral. Ela causa deficiências motoras, sensíveis, paralisias e crises de movimentos repentinos que lembram a epilepsia.

Toxoplasmose: IgG e IgM

A forma mais fácil de diagnosticar a toxoplasmose é por meio dos exames IgG e IgM, ou seja, análise sanguínea das imunoglobulinas G e M que apontam para a presença de anticorpos específicos para a infecção parasitária. Em caso de toxoplasmose cerebral, um exame de imagem permitirá buscar sinais de um abcesso no cérebro. Nas grávidas, exames são feitos regularmente em mulheres não imunizadas e, ocorrendo infecção, a amniocentese - análise do líquido amniótico, auxilia na identificação da doença no feto.

Tratamento da toxoplasmose

Em indivíduos imunocompetentes, o paciente estará livre do parasita em algumas semanas. Já em pessoas imunodeprimidas e nos casos de toxoplasmose cerebral, o tratamento deve ser feito com uma combinação de antibióticos ao longo de seis semanas. Por fim, gestantes infectadas pelo T. gondii são tratadas com espiramicina, desde que a sorologia tenha comprovado infecção recente e os testes do feto forem negativos. Em caso de resultado positivo, o tratamento segue até o final da gravidez.

Prevenção da toxoplasmose

Para prevenir a toxoplasmose em grávidas ou imunodeprimidos, é aconselhado consumir apenas carne bem cozida e frutas e legumes lavados. É importante lavar as mãos regularmente, sobretudo após a manipulação de alimentos e evitar contato com gatos e sua areia. Além disso, portadores do HIV com taxa de linfócitos CD4 (células de defesa do organismo) muito baixa, precisam fazer uso preventivo dos mesmos medicamentos utilizados no tratamento da doença.

Toxoplasmose tem cura

Sim, a toxoplasmose tem cura e nos casos mais simples da doença a infecção desaparece de maneira espontânea em duas ou três semanas. Para os casos mais graves, o tratamento também é capaz de curar o paciente.

Foto: © Bonzami Emmanuelle - 123RF.com

Veja também

Publicado por Pedro.Saude. Última modificação: 26 de abril de 2017 às 13:57 por Pedro.Saude.
Este documento, intitulado 'Toxoplasmose: tratamento e prevenção', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.