Queda de cabelo em mulheres

Setembro 2017

Geralmente, a queda de cabelo é um problema masculino. No entanto, essa condição pode afetar também as mulheres, entre as quais a perda de cabelo é normalmente mais traumática e exige tratamentos mais constantes.


Causas da queda de cabelo

Alopecia androgenética

Cerca de 80% das mulheres que perdem cabelo sofrem da alopecia androgenética. Os andrógenos, produzidos pelas mulheres, são substâncias que aceleram o ciclo de vida dos fios. Porém, a aceleração anormal pode provocar superprodução, o que obriga o folículo piloso a produzir cabelos mais finos e curtos. Aos poucos, os folículos passam a não produzir mais fios.

A alopecia androgenética pode começar a qualquer momento da vida a partir dos 15 anos. A perda de cabelo se inicia na parte alta da cabeça. Estresse e ansiedade são o principal fator agravante da alopecia androgenética. Além disso, anticoncepcionais, tratamentos hormonais e taxa elevada de colesterol ruim (LDL) também provocam piora do quadro de perda de cabelo.

Queda de cabelo sazonal e difusa

A queda de cabelo sazonal e difusa é não localizada, não dura mais de quatro meses, pode ser muito abundante, mas sempre é acompanhada de crescimento imediato na sequência. Alguns fatores que provocam essa perda são parto, aborto natural, intervenção cirúrgica importante, anestesia geral, febre alta, estresse pós-traumático e interrupção de tratamento anticoncepcional.

Queda de cabelo durável e difusa

A queda de cabelo durável e difusa se deve a estados depressivos, quadros anoréxicos e dietas muito rigorosas, problemas de tireoide, diabetes, carência de zinco, magnésio, cálcio ou ferro. Os sintomas mais característicos são aparecimento entre dois e quatro meses após o fator desencadeante, reversão total com tratamento e enfraquecimento dos fios.

Queda de cabelo durável e localizada

Esse tipo de queda de cabelo se divide em quedas por tração e por arranque. A primeira se deve a alguns tipos de pentes utilizados pelas mulheres ou uso de apliques. Nestes casos, a mulher passa a observar fios mais finos, pequenas irritações e inflamações do couro cabeludo.

Já a queda por arranque ou tricotilomania é um grave transtorno psíquico que leva a mulher a arrancar os próprios fios de cabelo. Seu tratamento passa fundamentalmente pela abordagem psiquiátrica do problema, muitas vezes com uso de remédios.

Falsas quedas de cabelo

Algumas práticas como coloração e permanentes aceleram a queda de cabelo já que, dependendo da qualidade dos produtos utilizados, podem tornar os fios quebradiços e fazê-los cair com maior facilidade. No entanto, o crescimento volta a ocorrer semanas após a interrupção do uso desses produtos.

Como tratar a queda de cabelo

diversas formas de tratar a queda de cabelo. Algumas demandam uso de medicamentos e outras podem ser feitas em casa. Veja algumas dessas opções abaixo.

Remédios para queda de cabelo

Alguns remédios atuam contra a queda de cabelo. Os mais comuns são a finasterida e a biotina - vitamina do complexo B - em cápsulas. Ambos promovem o crescimento capilar. Há também soluções capilares para o crescimento de cabelo.

Tratamento caseiro para queda de cabelo

A principal receita para tratamento caseiro contra queda de cabelo é a solução de babosa com água. Basta bater 1 folha de babosa para cada meio copo de água no liquidificador e aplicar a solução pelo couro cabeludo com auxílio de um algodão. Deixe a mistura na cabeça durante 24 horas e lave o cabelo em seguida.

Implante capilar

Implantes capilares não são muito comuns para o tratamento da queda de cabelo em mulheres, mas também podem ser utilizados. A técnica, no entanto, tem preço muito elevado e não costuma ser recomendada antes da tentativa de outras terapias.

Foto: © Vladimir Gjorgiev - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 24 de agosto de 2017 às 15:20 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Queda de cabelo em mulheres', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.