Rivotril: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Abril 2018

O Rivotril, também comercializado como Clonazepam na versão genérica, é um medicamento indicado para tratar crises epilépticas, espasmos infantis, transtornos de ansiedade e de humor, síndromes psicóticas, síndrome das pernas inquietas e da boca ardente e no tratamento de vertigens e distúrbios do equilíbrio. Pode ser tomado por adultos e crianças e está disponível na versão comprimidos 0,5 e 2 mg, além de gotas de 2,5 mg e sublingual de 0,25 mg.


Para que serve (indicação)

Geralmente, o Rivotril é prescrito como ansiolítico geral e também para tratar crises de síndrome do pânico, ansiedade, agorafobia, distúrbio bipolar, depressão e epilepsia.


O clonazepam, composto presente no Rivotril que pertence à classe dos benzodiazepínicos, é responsável por causar uma discreta inibição do sistema nervoso central, gerando uma ação anticonvulsivante, sedativa e tranquilizante.

Como tomar (posologia)

Por ser um medicamento comercializado apenas com receita, o Rivotril deve ter a dose recomendada por um especialista, que avaliará a situação do paciente e sua necessidade específica.


Importante: nunca faça uso de qualquer remédio, especialmente os controlados, sem orientação médica.

Efeitos colaterais

Em alguns casos, a ingestão do Rivotril pode causar sonolência, lentidão de pensamento, dor de cabeça, infecções respiratórias, gripe e sinusite, depressão, vertigem, irritabilidade, insônia, falta de coordenação de movimentos e da marcha, perda do equilíbrio, náusea, sensação de cabeça leve, falta de concentração, alterações na visão, aparência de olho esbranquiçado semelhante a catarata (olho vítreo), palpitações, perda do apetite, urticária e coceira na pele, fraqueza muscular, fadiga, dificuldade para urinar, cólicas menstruais, diminuição de interesse sexual, otite, vertigem, desidratação, amnésia ou alucinações.

Contraindicações

A ingestão de Rivotril é contraindicada a pacientes com doença grave nos pulmões ou fígado, glaucoma agudo de ângulo fechado e pessoas com alergia a benzodiazepínicos, ao Clonazepam​ ou a algum dos componentes da fórmula. Gestantes ou lactantes necessitam de avaliação específica antes de fazer uso do medicamento.

Composição

A versão de Rivotril gotas possui, a cada 1 ml (cerca de 25 gotas), 2,5 mg/ml de clonazepam e excipientes (sacarina sódica, ácido acético, propilenoglicol, essência de pêssego). O comprimido sublingual possui 0,25 mg de clonazepam e excipientes (celulose microcristalina, manitol, amidoglicolato de sódio e estearilfumarato de sódio).


Já a versão comprimidos de 0,5 mg contém 0,5 mg de clonazepam e excipientes (lactose, amido de milho, amido pré-gelatinizado, óxido de ferro amarelo, óxido férrico, talco, estearato de magnésio). A opção de comprimidos de 2,0 mg possui essa mesma quantidade de clonazepam e excipientes (lactose, amido pré-gelatinizado, estearato de magnésio, celulose microcristalina).

Foto: © OLEKSANDR MARYNCHENKO - 123RF.com
Publicado por Natali_CCM. Última modificação: 30 de março de 2018 às 06:19 por Bruna.CCM.
Este documento, intitulado 'Rivotril: para que serve, como tomar e efeitos colaterais', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.
Diclofenaco sódico: para que serve, como tomar e efeitos colaterais
Buscopan: para que serve, como tomar e efeitos colaterais