Tratamento medicamentoso da hipertensão

Novembro 2017

Um paciente é considerado hipertenso quando apresenta pressão sistólica igual ou superior a 140 mmHg e/ou pressão diastólica igual ou superior a 90 mmHg. Para confirmação do diagnóstico, essas medidas devem ser auferidas em três medições dentro de um intervalo de três a seis meses.


Tratamento medicamentoso da hipertensão

O objetivo principal do tratamento medicamentoso da hipertensão é diminuir a pressão arterial sistólica para valor inferior a 14 e a pressão diastólica para valor inferior a 9. Num segundo momento, o tratamento também visa evitar complicações maiores próprias da hipertensão arterial.

Prevenção da hipertensão

Além dos remédios, o paciente hipertenso também deve adotar um conjunto de medidas de higiene e alimentares. Todo hipertenso precisa adotá-las independentemente se sua pressão está controlada ou se faz uso de remédios. Entre essas ações estão controle do peso, nível de colesterol e glicemia, parar de fumar, reduzir o consumo de álcool e sal, praticar atividade física regularmente e manter alimentação equilibrada.

Avalição do risco cardiovascular

O tratamento da hipertensão será determinado pelo risco cardiovascular do paciente. Para calcular esse risco deve-se estar atento a alguns fatores: idade (mais de 50 para homens e mais de 60 para mulheres), tabagismo (atual ou até três anos antes), diabetes, AVC precoce (antes dos 45 anos) e dislipidemia. Além disso, o histórico familiar da doença e outros problemas cardíacos, como infarto, também são levados em conta. Por fim, obesidade e sedentarismo são fatores de risco cardiovascular.

Medicamentos para a hipertensão

Existem muitos medicamentos utilizados no controle da hipertensão arterial. Entre eles estão diuréticos, inibidores da bomba de cálcio, antagonistas da angiotensina II e inibidores da enzima de conversão. O tratamento medicamentoso proposto pelo médico deve ser seguido à risca e sem interrupções. A escolha dos remédios, de exclusividade do profissional de saúde, depende de vários fatores, como causa e tipo da hipertensão, idade do paciente e tolerância e resposta ao tratamento.

Evolução do tratamento medicamentoso da hipertensão

Em geral, o médico irá receitar apenas um medicamento para o paciente diagnosticado com a hipertensão ou uma combinação de duas drogas em doses baixas. A primeira avaliação é feita com quatro semanas de tratamento. Se a pressão já tiver baixado, o paciente pode seguir utilizado o mesmo remédio (ou combinação). Caso os valores não tiverem baixado, o médico pode acrescentar mais medicamentos ao tratamento ou trocar algum deles. O acompanhamento do paciente deve ser feito de maneira aproximada.

Tratamento por toda a vida

Geralmente, o tratamento da hipertensão se estende por vários anos e, em muitos casos, deverá ser feito pelo paciente ao longo de toda a sua vida. Porém, seguir o tratamento medicamentoso de maneira correta e fazer as mudanças de hábitos de vida pode levar à redução significativa da quantidade e dose dos remédios utilizados a médio e longo prazo. Uma vez mais, é importante lembrar que o tratamento não pode ser interrompido sem autorização médica, sob risco de agravamento da doença e aumento do risco de complicações graves.

Foto: © David Orcea - Shutterstock.com
Artigo original publicado por Carlos-vialfa. Tradução feita por Pedro.CCM. Última modificação: 8 de fevereiro de 2017 às 11:19 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Tratamento medicamentoso da hipertensão', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.