Efeitos do álcool sobre a saúde

Dezembro 2017

Os efeitos do consumo excessivo de álcool sobre a saúde são numerosos e diversos. O álcool é uma droga que atua sobre o sistema nervoso central inibindo de forma progressiva as funções cerebrais. Essa droga afeta a capacidade de auto-controle e, inicialmente, pode provocar euforia e desinibição, o que às vezes faz muitas pessoas o confundirem com um estimulante.


Fases da intoxicação etílica

Depois de ingerir álcool surgem uma série de efeitos ou sintomas que dependerão da dose ingerida e outros fatores individuais. A primeira fase é de euforia e excitação. O consumo de álcool torna a pessoa loquaz, eufórica, desinibida e impulsiva. A taxa de alcoolemia nesta fase alcança 0,5 gramas por litro (g/L).

Se continuar bebendo, o organismo entra na fase hipnótica ou de confusão, caracterizada por certa irritabilidade, agitação, sonolência ou dor de cabeça. Também podem ocorrer vômitos e náuseas. A taxa de alcoolemia no organismo fica próximo dos 2 g/L.


Quando já se consumiu uma grande quantidade de álcool, o organismo alcança a fase anestésica ou de coma em que a fala se torna incoerente, o nível de consciência e o tônus muscular diminuem e a pessoa sofre com incontinência urinária e pode inclusive encontrar dificuldades para respirar. Nesta fase, a taxa de alcoolemia chega a 3 g/L.

Por último, há a fase bulbar ou de morte, em que o organismo pode sofrer um choque cardiovascular com inibição do centro respiratório e parada cardíaca. Para tanto, é preciso chegar a uma taxa de alcoolemia de 5 g/L.

Efeitos do álcool no cérebro

A presença habitual de álcool no cérebro inibe de forma progressiva as funções cerebrais. Quando se começa a beber, o álcool afeta os processos de pensamento e juízo e também as emoções ao provocar mudanças repentinas de humor. A partir de um determinado momento, o consumo contínuo de álcool altera o controle motor e surgem problemas de fala, a capacidade de reação cai e o equilíbrio fica comprometido. Também diminuem os estados de alerta e os reflexos e aparecem problemas de visão, perda de coordenação muscular, tremores, alucinações, problemas de memória e concentração e redução das funções motoras.

Consequências do álcool

O consumo frequente de álcool provoca distúrbios do sono, isolamento do entorno social e problemas familiares (discussões, divórcio, abandonos) e profissionais (perda de emprego). Essa situação pode desencadear quadros de depressão e até mesmo levar o indivíduo ao suicídio.

Doenças cerebrais pelo álcool

O álcool afeta as células do cérebro e dos nervos periféricos de forma irreversível. Além disso, essa substância reduz a produção de vitamina B1 e pode ser um fator de risco para a doença de Wernicke-Korsakoff, que provoca alteração dos sentimentos, pensamentos e memória, de modo que os pacientes confundem a realidade com sua imaginação.

Danos do álcool ao coração

O consumo de álcool incrementa a atividade cardíaca. Enquanto um consumo moderado melhora a circulação sanguínea, uma dose maior pode causar lesões. Os componentes tóxicos da bebida provocam hipertensão arterial e afetam o músculo cardíaco, provocando insuficiência cardíaca pois debilita a capacidade de bombeamento do coração. Também há risco de vasodilatação periférica que aumenta a temperatura superficial da pele.

Efeitos do álcool no aparelho digestivo

O consumo excessivo de álcool causa danos ao estômago, como acidez e queimação, especialmente se houver mistura entre diferentes bebidas. Ele também eleva a produção de suco gástrico e causa úlceras, hemorragias e perfurações na parede do estômago a longo prazo.

Doenças causadas pelo consumo de álcool

O consumo frequente de álcool já está comprovadamente relacionado ao surgimento de alguns tipos de câncer, localizados no estômago, esôfago, laringe e pâncreas. Alcoólatras também têm risco aumentado de pancreatite aguda (inflamação severa do pâncreas), pancreatite crônica com dores abdominais permanentes, diabetes tipo 2, hepatite alcoólica e cirrose hepática.

Funcionamento do rim

O álcool altera o funcionamento do rim, reduz os níveis de hormônios antidiuréticos e causa desidratação.

Álcool e risco de desnutrição

Bebidas alcoólicas são ricas em calorias (7 calorias por grama de álcool) com escasso valor nutritivo. Isso quer dizer que o álcool não nutre mas elimina o apetite. Assim, a longo prazo, há risco de desnutrição e prejuízos à absorção de algumas vitaminas e minerais.

Sistema imunológico

O álcool reduz a produção de glóbulos vermelhos e pode provocar anemia. Também diminui a produção de glóbulos brancos e provoca alterações no sistema imunológico, tornando o organismo mais vulnerável a infecções bacterianas e virais.

Álcool e vida sexual

O excesso de álcool diminui a libido e a atividade sexual. Também altera os hormônios femininos, desregula o ciclo menstrual e causa infertilidade. Nos homens, além da impotência, há maiores riscos de ginecomastia (hipertrofia das glândulas mamárias).

Álcool na gravidez

O abuso de álcool durante a gravidez pode provocar a chamada síndrome alcoólica fetal. Essa condição provoca atrasos no crescimento do feto, malformações cardíacas, hepáticas, renais e oculares. No entanto, os maiores danos são ao sistema nervoso central do feto, trazendo risco elevado de retardo mental.

Foto: © Jorg Hackemann - Shutterstock.com
Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 25 de outubro de 2017 às 13:30 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Efeitos do álcool sobre a saúde', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.