Cândida albicans - Sintomas e cura

Faça uma pergunta
A cândida albicans é uma espécie de fungo, normalmente inofensivo e que se aloja nas vias genitais, no aparelho digestivo, na boca e na pele. Em alguns casos, ela pode se tornar patogênica e é portanto, responsável pela candidíase, uma infecção por fungos. Ela se produz durante problemas de um organismo fragilizado, no qual as defesas imunológicas são diminuídas, principalmente em indivíduos portadores do vírus da AIDS ou os pacientes em tratamentos imunossupressores (no quadro de doenças autoimunes, de tratamentos para cânceres ou após um transplante).


Lesões causadas pela cândida albicans

Geralmente, as lesões causadas pela cândida sobre as mucosas ou na pele não são graves. Mas elas podem ser graves quando atingem as vísceras digestivas ou os pulmões. Em casos extremos, uma septicemia à cândida é possível e seu prognóstico é grave.

Manifestações da cândida albicans

A cândida albicans se manifesta de forma diferente de acordo com a sua localização. Nos pacientes imunocompetentes (cujo sistema de defesa é eficaz, contrário aos imunodepressores), ela aparece em forma de sapinho na boca, vermelhidões e coceiras cutâneas, essencialmente nas dobras, zonas quentes e úmidas favoráveis ao desenvolvimento do fundo, pequenas inflamações locais genitais como uretrite nos homens ou vulvo-vaginite com secreções esbranquiçadas e coceiras nas mulheres. Nos paciente imunodeprimidos, o fungo se desenvolve, sobretudo na boca e esôfago e é responsável por problemas de deglutição, e dores em relação ao esôfago.

Diagnóstico da cândida albicans

O diagnóstico da presença da cândida albicans é, antes de tudo, clínico, como, por exemplo, o clássico sapinho bucal, que realiza um depósito esbranquiçado sobre a língua e as mucosas. Exames complementares são úteis no caso de septicemia, principalmente hemoculturas que permitem identificar o germe causador.

Tratamento da cândida albicans

Uma infecção cutânea ou da mucosa causada pela cândida albicans requer um cuidado local de antifúngicos em forma de pó ou pomada para interromper a proliferação desse fungo. O tratamento se apresenta eficaz no conjunto, mas não exclui a reincidência. Às vezes, um antifúngico por via oral é necessário.

Prevenção da cândida albicans

Uma dieta saudável permite limitar a proliferação da cândida albicans no organismo. A prevenção passa também por uma higiene perfeita do corpo. É difícil de antecipar a patogenia da cândida albicans nos paciente imunodeprimidos, principalmente nos pacientes HIV em um estágio avançado.

Foto: © sruilk - Shuttertock.com
Dra. Marta Marnet

CCM Saúde é uma publicação informativa realizada por uma equipe de especialistas de saúde e redatores supervisionados pela Dra. Marta Marnet (número de registro 19741 no Colégio de Médicos de Barcelona, Espanha).

Mais informações sobre a equipe do CCM Saúde

Veja também